fbpx

Top Ten: carros que prometiam muito, mas nunca saíram do papel


Reunimos dez exemplos de modelos que poderiam ter dado muito certo por aqui se não fossem as pedras no meio do caminho

Por Redação

access_time

1 ago 2019, 07h00

Sonho Distante

Vorax, cupê esportivo da Rossin-Bertin, testado pela revista Quatro Rodas

deveria ser o primeiro superesportivo brasileiro. Três protótipos enlouqueceram o público no Salão do Automóvel de 2010, com o design agressivo e o V10 do BMW M5 de 570 cv. QUATRO RODAS chegou até a avaliá-lo em 2011, mas a fábrica em Blumenau (SC), que faria cinco unidades por mês, nunca saiu do papel.

Só de passagem 

150224gen20-19.jpg

 (divulgação/Quatro Rodas)

Da parceria Subaru e Toyota, nasceram os gêmeos BRZ e GT86. O cupê 2+2 com motor boxer 2.0 e câmbio manual de seis marchas foi apresentado no Brasil em 2012 com a promessa de ser importado em 2014, mas a crise brecou o sonho de muitos gearheads.

Fora de série (e de linha)

San Vito S1

 (arquivo/Quatro Rodas)

O esportivo 100% nacional San Vito S1 deu as caras no Salão do Automóvel de 2008. Obra de um designer que já trabalhou na Ford, o único exemplar construído usava um motor VW turbo 1.8 de 150 cv e carroceria de plástico reforçado com fibra de vidro. E ficou só nisso.

Bon Voyage!

 (Arquivo/Quatro Rodas)

Quando Gol, Parati e Saveiro chegaram à se-gunda geração, nos anos 90, faltava apenas o Voyage. O projeto até existiu, mas divergência na diretoria da Volks acabou engavetando-o. Por razões estratégicas e financeiras, o Polo Classic ocupou seu lugar, mas nunca decolou.

Pronto para a briga

Renault Koleos

 (Divulgação/Quatro Rodas)

Nem com o boom do mercado de SUVs a Renault se animou a trazer o Koleos – tudo por causa da alta do dólar. Assim, enquanto o modelo já roda lá fora reestilizado em sua segunda geração (2016), por aqui ainda está aguardando o sinal verde da marca.

Ação nada democrática

 (Acervo Quatro Rodas/)

Em 1963, a empresa IBAP desejava vender carros como a VW. Teria a ajuda de acionistas para financiar o projeto do Democrata, um cupê moderno e luxuoso. Acabou processada por usar recursos e não iniciar a produção. Fechou as portas após só cinco protótipos.

Tudo a seu tempo 

Chevrolet Calibra

Antes de ser lançado por aqui, em 1994, para ocupar a lacuna do cansado Chevette, o Corsa já havia mostrado sua cara. Foi em 1983, quando a GM trouxe duas unidades do Opel para testes. A ideia seria disputar mercado com Gol e Uno, mas acabou dando em nada.

Até nunca mais 

 (Divulgação/Peugeot)

A Peugeot lançou em 2007 o primeiro 308, que chegou ao Brasil só em 2012, para o lugar do 307. Como ele nunca decolou nas vendas, a segunda geração (apresentada na Europa em 2013) nunca veio e não virá, já que a marca está focando nos SUVs.

Vem que tem 

 (Arquivo/Quatro Rodas)

O VW Taigun era uma aposta ousada de SUV subcompacto. Com a base do Up!, incluindo o motor 1.0 TSI de 110 cv e 17,8 mkgf, a marca o considerou arriscado por ser muito pequeno. Mas já se fala que ela voltou atrás na possível produção. Quem viver verá!

É tão óbvio!

 (Arquivo/Quatro Rodas/Quatro Rodas)

Desenhado por Anisio Campos, o Obvio 828 é a releitura do Dacon 828 de 1982. Surgiu em 2002 com mecânica VW 1.6 para ser vendido pela internet e até teve motor elétrico, mas nunca foi para a frente, mesmo após vencer em 2004 o 18º Prêmio Design Museu da Casa Brasileira.



Source link

Redes sociais:
error

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

error

Não deixe de nos seguir nas redes sociais!